O mercado da nutrição desportiva

    O mercado da nutrição desportiva

    De acordo com o último estudo da Euromonitor, o mercado da nutrição desportiva está a beneficiar do crescente interesse pelas atividades desportivas entre a população portuguesa. O número de pessoas que praticam desporto e participam em atividades que envolvem exercício físico continua a aumentar, particularmente na área do trail, atletismo, ciclismo, BTT, surf, cultura física e cross fit, que tem vindo a ganhar popularidade. O crescente interesse da população portuguesa pela atividade física, como parte de um estilo de vida saudável, continuou a sustentar as vendas na área da nutrição desportiva em 2015, assim como um número crescente de pessoas estão cada vez mais interessadas em consumir uma dieta apropriada à sua atividade física. Ao mesmo tempo, a disponibilidade na internet de informações sobre rotinas de ginásio, combinados com nutrição desportiva adequadas, começaram a quebrar os preconceitos estabelecidos contra este tipo de produtos. Como resultado, a nutrição desportiva está a tornar-se cada vez mais popular em Portugal, já que a procura se estende agora para além do nicho de atletas e fisiculturistas. Apesar da área da nutrição desportiva representar apenas 4% dos 206 mil milhões de dólares da indústria da saúde, o crescimento anual tornou esta categoria numa das mais valorizadas.  Em Portugal, a Eco-Nutraceuticos, S.A. (marca GoldNutrition®), lidera  o  mercado  da  nutrição  desportiva,  com  uma  quota  de mercado de 51%, de acordo com o estudo «Sports Nutrition in Portugal», publicado em novembro de 2015 pela Euromonitor International. O mesmo estudo afirma que a empresa conta com uma estratégia de distribuição forte, com os seus produtos disponíveis em lojas especializadas e lojas de healthfood, bem como em ginásios e na grande distribuição, bem como, em termos de marketing e patrocínio de eventos e atletas.

     

    Suplementos

    Também existem os suplementos para o emagrecimento e ainda os que atuam na prevenção e como coadjuvantes no tratamento de patologias, e que são prescritos segundo a necessidade e a condição física de cada indivíduo.

    Por sua vez, o antienvelhecimento é uma área em franco desenvolvimento tanto na área da estética, como da cosmética e da suplementação. Esta procura começou nos Estados Unidos, com a indústria do cinema, mas atingiu rapidamente a Europa, levando os laboratórios a desenvolver cada vez mais fórmulas e produtos que perpetuem a vitalidade e melhorem a qualidade de vida, em qualquer idade.

    Também no desporto, os suplementos específicos fazem hoje parte integrante da dieta diária dos atletas profissionais e de muitos praticantes amadores das mais variadas modalidades desportivas no mundo inteiro, conduzindo-os a níveis de performance cada vez mais elevados, com a total proteção da saúde do atleta. Apesar disso, é de salientar que grande parte dos consumidores deste tipo de produtos são as pessoas que pretendem somente melhorar a sua condição física.

    Nos últimos anos, tem-se verificado um crescimento extraordinário das dietas hiperproteicas, que apresentam resultados mais eficazes na redução da gordura corporal, uma vez que controlam melhor o nível de colesterol, previnem a diabetes, promovem a manutenção da massa magra, entre muitos outros benefícios bem documentados pela literatura científica.

     

    Alimentos funcionais

    A penetração de alimentos com alegações de saúde em Portugal é elevada, especialmente comparada com outros países, como o Reino Unido, Brasil e China. Portugal tem uma penetração de 91%, correspondendo a 3.6 milhões de lares, com 89% destes repetindo a compra de alimentos, com alegação de saúde, mais que uma vez. Vários estudos demonstram a existência de uma tendência, por parte dos consumidores a nível global, para a valorização de alimentos funcionais formulados de forma que, para além de fornecer a nutrição básica, tenham atributos adicionais com um efeito positivo direto na saúde e bem-estar. A preocupação com a saúde é uma motivação importante do consumidor. Em 2010, cerca de 50% dos consumidores refere a saúde como fator influenciador da sua decisão de compra. As preocupações dos consumidores com a saúde são diversas e consistentes ao longo do tempo. A partir de 2008, as preocupações de ordem económica ganham peso, e diminui a importância relativa da saúde e bem-estar. A tendência de curto prazo é justificada pela envolvente macroeconómica. Na matriz de motivação do consumidor, é de notar o crescimento acentuado do factor preço, de 55% para 80% em 2010. No longo prazo, à medida que a situação económica e a confiança associada se restabelecerem, as preocupações do consumidor com a saúde vão ganhar preponderância.

    A nível internacional, prevê-se que a penetração de alimentos funcionais irá continuar a aumentar. Research.com publica dados nos Estados Unidos com uma penetração de “health foods” de 23% em 2017, a partir de um ponto mínimo em 2009. Dentro das “health foods”, “functional foods” mantém durante estes oito anos um quarto da quota, com um crescimento anual de cerca de 9%, tornando a categoria de “health foods” mais visível para o consumidor.

    O desenvolvimento dos mercados emergentes vai continuar a representar uma oportunidade para os alimentos funcionais. À medida que os níveis de rendimento e consumo aumentam, as doenças ligadas ao estilo de vida vão aumentando também, e o desejo de repor o equilíbrio através de uma alimentação cuidada acompanha essa tendência. A obesidade, especialmente em crianças, está identificada como um problema para os consumidores, mesmo em países onde esta tendência é mais recente.

    A regulamentação deste mercado, baseada em validação científica, vai contribuir para esse aumento de confiança do consumidor, mas também vai causar alterações na organização do próprio mercado, especialmente na União Europeia. O processo europeu poderá ser seguido noutros territórios, permitindo escala e comunicação consolidada e consistente, e reduzindo os custos de aumento do mercado.

     

    Um outro estudo de mercado, promovido pela Technavios prevê que o mercado global da saúde e bem-estar irá crescer de forma constante a uma média de 6% entre 2015 e 2019. A crescente consciencialização sobre a saúde dos consumidores é o condutor do crescimento primário deste mercado. São esperadas inovações de produtos para impulsionar o crescimento do mercado durante o período de previsão. Os fornecedores deverão inovar nas formulações e nas formas de apresentação através de novas embalagens, criando novas maneiras de aumentar o consumo dos seus produtos.

    A área da nutrição e do fitness tem sofrido muitas alterações positivas por força dos novos conhecimentos decorrentes de estudos científicos, das novas necessidades das pessoas e, claro, por força da tecnologia. Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades e também os hábitos, as rotinas e o conhecimento. Fazemos hoje o que seria improvável fazer ontem e coisas que começam por ser uma tendência restrita a certos grupos, por vezes, alargam-se e tornam-se a regra. Segundo o Economista Paul Zane Pilzer, a Indústria do Bem-estar será a próxima indústria que movimentará mil milhões de dólares.

     

    Fontes:

    Sports Nutrition in Portugal, Euromonitor, novembro de 2015.
    marketresearch