A Economia Social representa um conjunto de atividades económico-sociais, que têm por objetivo dar resposta às necessidades e interesses gerais da sociedade e está consagrada na Constituição da República, nos artigos 80º e 82º.

    Nos últimos anos temo-nos deparado com a crescente importância das organizações da Economia Social, quer ao nível de educação, saúde, assistência social, cultura, investigação, ambiente e recreativas.

    A Lei das Bases da Economia Social (LBES) reconhece como entidades de economia social:

    • cooperativas;
    • associações mutualistas;
    • misericórdias;
    • fundações;
    • IPSS;
    • associações culturais, recreativas, desportivas e de desenvolvimento local com fins altruísticos;
    • entidades abrangidas por subsetores comunitários e autogestionário;
    • outras que respeitem os princípios orientadores da economia social.

    O retrato da Economia Social em Portugal

    • Em 2016, o VAB da Economia Social representou 3%, aumentado 14,6%, face a 2013;
    • A Economia Social representou 5,3% das remunerações e do emprego total;
    • As associações com fins altruísticos representam 93,4%, 5com mais de 57 mil unidades;
    • As iniciativas de cultura, desporto e recreio representam 50,7%;
    • A Saúde foi responsável por 24,6% do VAB e 32,1% do emprego remunerado da Economia Social;
    • No setor institucional, as Instituições sem fim lucrativo ao serviço das famílias contribuem com 71,6% do total do VAB

     

    Fonte: Conta Satélite da Economia Social em 2016